Virgínia Mendes e Márcia Pinheiro trocam farpas sobre Programa Siminina

siminina_polêmica

Por Esportes & Notícias

O programa Siminina, criado na administração Roberto França (Patriotas) que tenta se eleger pela terceira vez como prefeito de Cuiabá, virou ponto de discórdias neste sábado entre as duas principais primeiras-damas de Mato Grosso. Virgínia Mendes, esposa do governador Mauro Mendes (DEM) usou as redes sociais para atacar Márcia Pinheiro, esposa do prefeito e candidato à reeleição em Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) e dizer que o projeto atualmente vive à mingua e ressaltar ter saudades de Iraci França, mulher do candidato Roberto França, que idealizou o projeto.

Ao atacar a atual primeira-dama da Capital, Virgínia Mendes disse em suas redes sociais que entregou o Projeto Siminina com quase 1.500 meninas e que atualmente o programa despencou, sendo esquecido pela Prefeitura. Márcio Pinheiro rebateu, também usando suas redes sociais afirmando que quando Emanuel Pinheiro recebeu o projeto “era apenas recreativo e atendia a 700 meninas. Afirma que hoje são 1,5 mil meninas atendidas, num programa ampliado, com valorização dos profissionais. E diz que só não avançaram mais porque receberam as unidades do Siminina em “condições inadequadas”. Ela promete, durante a semana, mostrar o antes e o depois destas unidades.

Virginia afirmou em suas redes sociais que a gestão atual fez muito pouco em prol da expansão e melhoria do projeto, contestou dados e trouxe um balanço do Siminina quando ela e o ex-prefeito Mauro Mendes finalizaram a gestão à frente da Prefeitura de Cuiabá, em dezembro de 2016.

“Iraci foi a responsável pela criação do Siminina, um programa que revolucionou Cuiabá, tirando meninas da faixa de risco, da gravidez precoce e de outras situações de risco. Tornando-se um exemplo. Esse primeiro passo dado por Iraci e Roberto precisa ser reconhecido”, destacou a primeira-dama.
“Ao lado de uma grande equipe, trabalhamos neste resgate, reestruturando o projeto e implantando novas atividades para atender meninas e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. E ao contrário do que eu li por aí, quando estávamos à frente do Siminina ele nunca foi um programa de ‘recreação’. Sempre atuamos na prevenção de situações de risco e violação de direitos por meio de atividades extracurriculares, como por exemplo, reforço escolar, aulas de dança, teatro, ballet, música, palestras educativas sobre diversos temas, como gravidez na adolescência, cidadania. Investimos na melhoria da infraestrutura física e da equipe de profissionais, incluindo psicólogos, assistentes sociais, pedagogos. Providenciamos uniformes novos, incluindo roupa de frio, material escolar de qualidade. Também ofertávamos atendimentos na área de saúde para as crianças e adolescentes, com consultas oftalmológicas e a doação dos óculos de grau para as que precisavam; dentistas”, citou na publicação.

A primeira-dama disse ainda que a atual gestão não fez quase nada em prol do programa. “Vejo divulgação por aí comemorando que o Siminina tem hoje 1.600 meninas, um crescimento de 100 crianças em quatro anos. Acho muito pouco para quem assumiu com tantas promessas. Dizer que a atual gestão assumiu o Siminina com 200 crianças é uma mentira. E isso sim me deixa triste, pois todos sabem que isso não é verdade”.

Em sua rede social, Márcia Pinheiro escreveu um longo texto, intitulado “a verdade sobre o Siminina” e mostrando que a gestão de seu marido Emanuel Pinheiro vem realizando no programa.

Leia na íntegra a nota emitida por Márcia Pinheiro

“A VERDADE SOBRE O SIMININA

Me entristece muito que no Mês das Crianças, as pessoas usem delas para ganhar vantagem política, ainda mais quando os fatos não traduzem a verdade. Nós recebemos o Programa Siminina com 700 crianças e hoje atendemos em torno de 1.500 meninas em 20 unidades, três a mais em relação à gestão anterior. Inclusive com uma unidade MODELO no bairro Pascoal Ramos que, somente ela, atenderá 160 meninas de mais de sete bairros adjacentes.

Nossa gestão mudou o conceito de atendimento do Siminina, implantamos uma nova roupagem para ele não ser apenas um local recreativo, como em outrora, onde os pais e responsáveis pudessem deixar suas filhas durante a jornada de trabalho.

romovemos o maior conjunto de ações da história do programa oferecendo atividades como fanfarra, música, artesanato, plantio de hortifrúti, inglês básico, teatro, informática, entre outras; além dos atendimentos odontológico, psicológico e pedagógico.

Para as nossas colaboradoras, monitoras e profissionais que atuam no atendimento das meninas, conseguimos efetiva-los com o regime de contratação em CLT, garantindo todos os benefícios e direitos que o trabalhador deve ter e não deixando-os desempregados no período de férias do programa.

Promovemos aumento salarial e condição ideais de trabalho aos profissionais, algo que não acontecia há mais de 15 anos.

Os avanços só não foram maiores porque recebemos da última administração as unidades em condições inadequadas para atender nossas meninas com dignidade. Durante a semana traremos imagens do ANTES e DEPOIS do estado físico das unidades que abrigavam as nossas cuiabanas.

Encerro a minha resposta para inverdades, de coração aberto que deixemos a política para outro campo, sem envolver nossas meninas que merecem respeito, amor e atenção para crescerem grandes mulheres futuramente, e isso é a única preocupação da nossa gestão.”

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também