Reunião na Sema contou com representantes do município de Nobres e do Sinecal

Reunião discutiu o problema em Cuiabá e a Secretaria Estadual de Meio Ambiente se comprometeu em averiguar o situação e propor soluções às indústrias
Reunião na Sema sobre o calcario em Nobres

A mineração, principal atividade econômica de Nobres, cidade distante 121 quilômetros ao norte de Cuiabá, pode estar colocando a saúde dos seus 15 mil moradores em risco. Não há estudo oficial que mostre isso, mas, se andar pela cidade pode-se perceber que o branco do calcário produzido nas 12 usinas existentes nos arredores cobre ruas, telhados, árvores e gramados. Mas o perigo, nesse caso, é quase invisível. A névoa branca que sai das fábricas carrega o ar com o pó do minério, o que prejudica a saúde de quem vive na região. A situação se agrava no período de estiagem, propiciando um número maior de casos de infecções respiratórias.

Marcelo Sandrin é clínico geral com vasta experiência em casos pneumológicos e faz um alerta: “Caso esse pó contenha sílica, mineral abundante em rochas, areias e argilas poderá representar risco. A sílica provoca fibrose pulmonar e pode avançar para um câncer pulmonar no estágio final”. O médico alerta que grãos de sílica, elemento que é liberado no processo de moagem das pedras, chega aos pulmões e provoca uma pequena cicatriz, ficando preso lá. “De grão em grão, o pulmão vai endurecendo até ser diagnosticado com fibrose pulmonar”. Para que se alcance esse ponto o tempo de exposição pode chegar a até 20 anos, explicou.

A situação foi discutida na tarde desta segunda-feira (10), numa reunião articulada pelo suplente de deputado estadual e vereador por Cuiabá, Toninho de Souza (PSD). Os vereadores de Nobres, Adelian Messias (PSD) e André Avelino Bezerra (PSDB), questionaram a secretária estadual de Meio Ambiente (Sema), Mauren Lazzaretti sobre as medidas cabíveis. Ela disse que vai determinar a realização de diligências para verificar a regularidade ambiental das empresas que extraem calcário na região. “Vamos checar in loco o que está acontecendo, levantar os impactos e quais medidas são necessárias para que a gente possa devolver a normalidade para operação das indústrias e assim reduzir essa sensação de desconforto que tem sido retratado pela população”.

Toninho de Souza disse que já foram encaminhadas denúncias para providências junto ao Ministério Público e que a situação não é novidade ao setor de extração de calcário. “Isso dura há décadas e é preciso descobrir se há falhas no sistema de filtros ou se existe outro problema que precise ser solucionado”, questionou. O presidente do Sindicato das Indústrias de Extração do Calcário do Estado de Mato Grosso (Sinecal-MT), Kassiano Riedi, diz que em todas as plantas instaladas em Nobres há filtros para reduzir os níveis de poeira no ar. No entanto, admite que o sistema pode ser melhorado e cada caso precisa de uma solução diferente. Em um ponto foram unânimes: o desconforto com a poeira do calcário existe e é preciso buscar uma solução para o problema.

O presidente do Sinecal também questionou a presença da sílica na rocha calcária. Segundo ele, a legislação permite que o limite de tolerância seja de 8,0 mg/m³ de sílica, mas, que no caso de Nobres ela chega apenas a 0,95mg/m³. “Há outros tipos de indústrias de extração que praticam a moagem de pedras na região. No caso da argila e areia, por exemplo, que são matérias-primas do cimento, não há como negar que haja sílica, mas elas estão bem mais longe de Nobres e esse minério é pesado para se espalhar pelo ar a certa distância”, explica Riedi. Interrompido, Toninho de Souza o alertou para um problema grave de saúde pública que poderá se complicar caso providências não sejam tomadas. “A população não pode pagar o preço com a própria saúde em risco”.

CONVIVÊNCIA HISTÓRICA

A convivência com o pó de pedras no ar ocorre desde 1970 quando se instalou na região de Nobres a primeira indústria de cimento e, na década de 1980, as de calcário. Com o crescimento da agricultura no norte do estado, ficou mais viável comprar calcário em Nobres e foi aí que mais empresas começaram a se instalar entre o município e o vizinho Rosário Oeste. Toninho de Souza alerta que quase 60% de todo calcário produzido em Mato Grosso saem do município de Nobres e que as indústrias deveriam investir parte de sus lucros em um sistema mais eficiente de filtragem. Ele disse que o mesmo pleito levado à Sema já foi levado à prefeitura de Nobres para que se faça o acompanhamento, monitoramento e intimação para se adequar caso haja necessidade.

Para Toninho de Souza, a industrial de calcário é importante para Mato Grosso e para a região de Nobres e Rosário Oeste. Entretanto, alega que é preciso investir mais em programas e equipamentos que garantam a qualidade de vida das pessoas no entorno dessas indústrias. “Só na região de Nobres são cerca de 900 empregos e isso é bom. Mas seria melhor se conseguíssemos juntar desenvolvimento econômico com sustentabilidade e qualidade de vida, sobretudo, aos trabalhadores dessas empresas que estão ainda mais expostos ao pó”. Ele disse acreditar no potencial de crescimento do setor acima da média, mas que é preciso obs ervar também o lado humano desse processo evolutivo.

Mato Grosso se destaca entre os maiores estados produtores de calcário do Brasil. No total, são 34 empresas que comercializam calcário, sendo a grande maioria filiada ao Sinecal. Juntas, produzem cerca de 7 milhões de toneladas ano. Segundo dados do sindicato, a capacidade total de produção poderá chegar a 14 milhões de toneladas caso haja demanda e investimentos nas plantas industriais. “Algo precisa ser feito agora. Para a safra 2021/2022 é possível que só a soja ocupe mais de 10 milhões de hectares no Estado. É lógico que vai precisar de mais calcário e haverá mais poeira ainda”, finalizou Toninho. A Sema não definiu quando enviará técnicos para verificar a situação. O Sinecal sinalizou positivamente com revisão de técnicas e cobrança de mais investimentos no sistema de filtragem.

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também