CUIABÁ
05 de dezembro de 2021 - 19:33

Ouvidoria da CBF reconhece que Cuiabá foi prejudicado com gol anulado contra o Bahia

Ao reconhecer o erro da arbitragem a ouvidoria da CBF ainda esclarece que pior foi o VAR que sequer solicitou para que o árbitro Raphael Claus paralisasse o jogo para conferir no vídeo que Jenison não cometeu nenhuma falta
árbitro_erro

Por Esportes & Notícias

O gol anulado de Jenison, no empate em 0 a 0 domingo, na Fonte Nova, em Salvador, contra o Bahia, foi um erro imperdoável do árbitro da partida Raphael Claus e o VAR que viram falta do goleador em um defensor do Bahia que nitidamente se jogou ao chão. O erro foi reconhecido na tarde desta quinta-feira em documento enviado pela Ouvidoria de Arbitragem da CBF para a diretoria do Cuiabá. A lamentável falha, no entanto, não permite que seja declarada vitória no Cuiabá, que anda teve um outro gol legítimo, de Rafael Gava anulado erroneamente ao confirmarem impedimento de Felipe  Marques. A ouvidoria alega erro de trabalho da arbitragem para justificar que o resultado não será modificado.

Ao reconhecer o erro da arbitragem a ouvidoria da CBF ainda esclarece que pior foi o VAR que sequer solicitou para que o árbitro Raphael Claus paralisasse o jogo para conferir no vídeo que Jenison não cometeu nenhuma falta e prejudicou o Cuiabá que já poderia estar com sua permanência na  Série A do ano que vem já praticamente confirmada.

Confira a nota do ouvidoria da CBF enviada para o Cuiabá

“Realmente, pois em que pese o atacante do Reclamante (Cuiabá) haver posto seu braço esquerdo sobre as costas do defensor oponente, não se percebe a ação de empurrar, ou seja, o movimento dinâmico do braço do atacante contra o corpo do adversário (…) Conquanto não se possa isentar os árbitros da responsabilidade, até porque eles devem estar preparados para as dificuldades da função, são perfeitamente compreensíveis do ponto de vista humano– diz parte da resposta da CBF.

Cabe ao VAR o dever de realizar checagens utilizando todos os recursos disponíveis para ter uma conclusão correta. Assim, porém, as coisas não se passaram (…) Conclusivamente, portanto, houve erro da arbitragem e, principalmente do VAR, pelo motivo exposto.

A Ouvidoria também se manifestou sobre o lance do duvidoso impedimento marcado pela arbitragem após o passe de Max para Felipe Marques que resultou no gol de Rafael Gava. Para o órgão “o Reclamante não tem razão, pois o momento considerado para aferir o toque na bola foi, efetivamente, o do primeiro contato do pé do jogador com a bola, como o Reclamante constatará quando tiver acesso ao áudio e vídeo do lance”.

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também