CUIABÁ
21 de abril de 2021 - 03:32

MPE investiga desaparecimento de equipamento avaliado em R$ 2,5 mi comprado pela Santa Casa

A Controladoria Geral do Estado (CGE) também conduz auditoria referente a suposta compra irregular
ressonanica magnetica

Por Esportes & Notícias

O Ministério Público Estadual (MPE) investiga a possível irregularidade na compra de um aparelho de ressonância magnética feito pela Santa Casa de Cuiabá, em 2017, quando ainda era instituição filantrópica. O equipamento foi parcialmente pago, está na relação de patrimônio da unidade, mas não foi encontrada no local.

A portaria de instauração da investigação foi publicada no dia 31 de março e é conduzida pelo promotor de Justiça Roberto Turin.

A investigação teve como provocação o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Santa Casa, conduzida pela Câmara de Vereadores de Cuiabá.  A apuração avaliada ações do hospital anteriores a 2019, quando era filantrópica e recebia recursos públicos, além de doações para sua manutenção.

Depois de 2019, a unidade passou a ser Hospital Estadual Santa Casa e de responsabilidade do Estado de Mato Grosso. Atualmente é um dos locais referência para covid-19.

Na CPI, os vereadores identificaram que em 2017 a unidade comprou o aparelho de ressonância magnética da marca Siemens, modelo Essenza, ano 2011 1.5T. A comissão também identificou que parte do equipamento tinha sigo paga em 2019.

A portaria não diz quando foi pago nem o valor da ferramenta. Contudo, em pesquisa foi identificado que o equipamento custo cerca de R$ 2,5 milhões.

O aparelho não foi achado no hospital durante a comissão.

Considerando a denúncia, o MPE resolveu “INSTAURAR inquérito civil para apurar suposta aquisição irregular de um aparelho de ressonância magnética (marca Siemens, modelo Essenza, ano 2011 1.5T), em dezembro de 2017, cujo valor teria sido em grande parte pago, antes mesmo do recebimento do bem pela Santa Casa”, diz trecho do documento.

A Controladoria Geral do Estado (CGE) também conduz auditoria referente a suposta compra irregular.

 

 

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também