CUIABÁ
21 de abril de 2021 - 04:53

Morre, vítima de Covid-19 o tenente Lara, o “ás de ouro”; veja seu último vídeo

O sobrinho do tenente Lara, o coronel da Polícia Militar, Antonio Nivaldo de Lara Filho, confirmou o falecimento do tio, que foi um de seus grandes inspiradores a entrar na PM.
tenente_lara

Por Esportes & Notícias

Uma das figuras mais folclóricas da Polícia Militar de Mato Grosso, que após ir para reserva foi repórter policial, religioso fervoroso e voluntário em hospitais, principalmente após a morte de seu único filho, Jorge, Juvelino da Silva Lara, o “Tenente Lara” é mais uma vítima da Covid-19. Aos 72 anos, o tenente que disputou várias eleições para vereador e deputado federal e que tinha como característica seu vasto bigode, morreu nesta quarta-feira, na UPA da Morada do Ouro, onde foi internado na segunda-feira com falta de ar e uma infecção.

O sobrinho do tenente Lara, o coronel da Polícia Militar, Antonio Nivaldo de Lara Filho, confirmou o falecimento do tio, que foi um de seus grandes inspiradores a entrar na PM.

Lara sempre enaltecia a Policia Militar e que era conhecido como “ás de ouro”, pelo seu combate ao crime organizado quando estava na ativa. Ele criou o bordão “azul petróleo” ao falar da farda da Polícia Militar e ganhou muita projeção quando começou a trabalhar na rádio Gazeta no programa “Chamada Geral” comandada por Nilo Rossi. Ao lado do então escrivão da Polícia Civil, que depois virou delegado, Flecha, noticiava os crimes da época. Uma característica de Lara ao chegar à rádio era se ajoelhar no estúdio e pedir proteção divina. Era da Igreja Adventista.

O tenente Lara gostava de contar as histórias que viveu no jornalismo policial de Mato Grosso e em 2019 chegou a ser entrevistado em um canal do Youtube, o Canal Vírgula. Ele também teve uma passagem pela TV, na Gazeta, quando se apresentava com um cassetete da PM e dizia que era para prender bandido.

Diabético e cardíaco, tenente Lara passou os últimos anos em trabalho voluntários nos hospitais de Cuiabá, onde levava esperança para os doentes. Sempre vestido de branco e avental também branco, procurava dar conforto e um pouco de alegria. “Depois que meu filho morreu está virou a razão de minha vida, levar esperança e pregar a palavra de Deus” dizia.

 

Após sua internação, na Upa, com máscara para respirar e sentindo os efeitos da Covid, tenente Lara fez seu último vídeo vida, falando da doença, pedindo cuidados para a população e dizendo de sua fé em Deus para a sua recuperação, que não veio. Confira

 

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também