CUIABÁ
21 de abril de 2021 - 03:48

Mônica Waldvogel fortalece o discurso de empatia para ajudar quem precisa

167491


source
Mônica Waldvogel
Instagram/Reprodução

Mônica Waldvogel

Ao compartilhar uma notícia do jornal “Folha de S. Paulo”, cuja chamada diz que “Bolsonaro ignora quatro mil mortes, ironiza título de genocida e critica medidas restritivas”, Mônica Waldvogel expressou sua opinião por meio do Twitter. “Seguinte: ele não liga se são 100, 4.000 ou 340.000 brasileiros mortos. O presidente vive numa realidade paralela, indiferente ao que acontece no seu país. Tem a fantasia da vida normal quando o Brasil está aterrorizado com a transmissão acelerada e os hospitais lotados”.

Em outro trecho de seu desabafo, a jornalista e apresentadora da GloboNews deixou subentendido que a situação é grave e, se não houver participação responsável, pode se agravar ainda mais. “Parte da população também não dá a mínima, não há informação que faça entrar alguma ideia nas suas cabeças, nem experiência no resto do mundo que permita aprender com o que já se sabe sobre a doença”, disse, referindo-se a quem desdenha do fato ou o banaliza.

Antes de encerrar, ela fez questão de apontar uma solução e incentivar um movimento em que se faça algo por muitos que não têm os privilégios de alguns. “O que resta é apoiar governadores e prefeitos que batalham soluções para o gigantesco problema sanitário e humanitário que enfrentamos. Cuidar de nós e de nossos amores. Fazer doações para diminuir o sofrimento dos que sentem fome e estão desamparados. Esse pesadelo vai acabar”, concluiu.

Fonte: IG GENTE

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também