Milho e etanol: uma união de valor

Marino Frans

Por: Marinho Franz

Há quem diga que o milho em poucas safras irá ultrapassar o volume da soja em Mato Grosso. Não duvido muito, até porque hoje produzimos praticamente a mesma quantidade de cereal em relação a oleaginosa, porém em uma área 50% menor. A expectativa é que a produção do cereal mato-grossense para safra 2018/19 fique prevista em 32,26 milhões de toneladas, enquanto em soja foram 32,5 milhões de toneladas. O impulsionador para isso não somente foi o clima, mas também o etanol.

Com uma tonelada de milho é possível produzir 420 litros de etanol, 180 Kg HF + 105 Kg HP (seco) de DDG (produto utilizado para ração animal, tanto de bovinos quanto de aves, suínos e peixes), 18 litros de óleo de milho (que pode ser refinado ou virar biodiesel), além da co-geração de energia elétrica, diante o uso de biomassa.

Mato Grosso na safra sucroalcooleira 2019/2020 deverá produzir 2,27 bilhões de litros de etanol. Tal volume supera em 25,9% a oferta do ciclo passado de 1,8 bilhão de litros. A entrada da operação de mais usinas “full”, ou seja, que utilizam apenas o milho para a produção do biocombustível é a propulsora para o resultado, uma vez que a produção de etanol a partir da cana-de-açúcar está estabilizada.

Contamos hoje no estado com três usinas “full” em operação e outras duas sendo construídas com previsão de entrar em operação em 2020. Além disso, duas novas usinas foram anunciadas recentemente e, de acordo, com a União Nacional do Etanol de Milho (UNEM), há pelo menos mais cinco projetos em médio prazo. Vale lembrar que ainda contamos em Mato Grosso com três usinas “flex” produzindo o biocombustível tanto a partir da cana-de-açúcar quanto do milho.

O crescimento do número de usinas “full” em Mato Grosso comprova os dados que a Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgados há cerca de dois meses, de que o etanol de milho não só está ganhando espaço, mas como veio para fortalecer a cadeia dos combustíveis de fontes renováveis, bem como a própria cadeia produtiva do cereal que hoje conta com mercado “garantido”.

Conforme a Conab, o etanol de milho deverá fechar a safra 2019/2020 sucroalcooleira respondendo por 46% da produção total de etanol em Mato Grosso. Isso quer dizer que dos 2,27 bilhões de litros projetados para o atual ciclo 1,04 bilhão de litros virão do cereal.

Temos que destacar que Mato Grosso, segundo a Conab, é hoje o 5º maior produtor de etanol do Brasil, sendo o maior na produção de etanol a partir do milho. A entrada da operação de duas usinas “full” em 2019 e a ampliação de uma inaugurada em 2017, inclusive, impulsionou um aumento de 76% na produção de etanol de milho em Mato Grosso no atual ciclo em comparação a safra 2018/2019, quando produzimos somente 590,9 milhões de litros.

Não podemos negar que a união destas duas cadeias, a da produção de milho e a de biocombustível, é uma união de valor. Uma união na qual muitos saem ganhando. O produtor rural por ter para quem vender, a indústria por não ficar ociosa na entressafra da cana-de-açúcar (como é o caso das usinas flex) e o estado e municípios com investimentos gerados pelas construções das usinas, geração de emprego e arrecadação de impostos.

Um novo ciclo sustentável floresce em Mato Grosso e, para exemplificar, serão 10 milhões de toneladas de milho industrializados que vão gerar R$ 846 milhões de ICMS aos cofres do estado. O mesmo volume de milho exportado gera R$ 86 milhões para Mato Grosso, por meio do Fethab.

 

*Marino Franz é sócio fundador da FS Bioenergia e presidente de Fundação de Pesquisa Rio Verde

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também