Maluf coordena comissão criada para acompanhar discussões da Lei Kandir no Congresso e STF

O presidente do conselho, Joaquim Alves de Castro Neto, agradeceu a disposição do presidente da corte de contas de Mato Grosso em coordenar os trabalhos da comissão
CNPTC DE 2020

O presidente do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT), conselheiro Guilherme Maluf, participou, nessa quinta-feira (06) em Brasília (DF), da primeira reunião ordinária do Conselho Nacional de Presidentes dos Tribunais de Contas (CNPTC) de 2020. Logo após o encontro, o presidente da Corte de Contas de Mato Grosso foi indicado coordenador de uma comissão criada para acompanhar as discussões sobre a Lei Kandir no Congresso Nacional e no Superior Tribunal Federal (STF).

Incluir a Lei Kandir na pauta de discussões do CNPTC foi uma sugestão do presidente do TCE-MT em virtude dos impactos negativos do atraso na definição, por parte do Congresso, de regras para compensar os estados exportadores pelas desonerações dos Impostos sobre Circulação de Mercadorias (ICMS).

“Esse é um tema muito importante, não só para Mato Grosso, mas para todos os estados exportadores do país. A Lei Kandir veio para estimular a exportação, por meio da desoneração dos tributos, mas existem duas situações em trâmite que vão balizar o futuro dessa lei e da politica tributária de exportação. A primeira é a votação no Congresso do projeto que altera a legislação, cujo prazo se encerra em fevereiro, e a segunda e a mediação que estão nas mãos do ministro Gilmar Mendes no STF. Nós temos pelo menos 14 estados que têm muita receita vinda da Lei Kandi e os tribunais de contas vão sim acompanhar e procurar defender seus estados, pois é um recurso muito importante”, destacou Maluf.

O presidente do conselho, Joaquim Alves de Castro Neto, agradeceu a disposição do presidente da corte de contas de Mato Grosso em coordenar os trabalhos da comissão. “Essa comissão dará suporte aos parlamentares, participando das discussões, a fim de firmar regra nesse sentido, porque os estados estão perdendo recursos e perder recursos nesse momento é muito ruim. Esse trabalho é muito importante não só para os tribunais de contas, mas para os estados produtores, que estão tendo prejuízos na receita em razão da inexistência de regra”.

LEI KANDIR E FEX

A Lei Kandir (Lei Complementar 87/1996) isenta do pagamento de ICMS sobre as exportações de produtos primários e semielaborados ou serviços, o que inclui as commodities agropecuárias, que são o forte da produção mato-grossense.

Como forma de compensar a perda fiscal dos Estados em função da Lei Kandir, o Governo Federal criou o pagamento do Auxílio Financeiro de Fomento às Exportações (FEX), que em 2004 deixou de ter valor fixo, obrigando os estados a negociar a cada ano o montante a ser repassado, mediante recursos alocados no Orçamento Geral da União.

Em 2016, o STF entendeu que o Congresso foi omisso ao não regulamentar a Lei Kandir e deu prazo de um ano para os parlamentares editarem uma lei complementar sobre o assunto. O Congresso, por sua vez, não chegou a uma conclusão e em fevereiro de 2019 o ministro decidiu conceder mais um ano de prazo aos parlamentares, que encerra nesse mês.

DEBATE

Na reunião, que contou com representantes das 33 Cortes de Contas brasileiras, também foram debatidas pautas como a reforma da previdência nos municípios, governança pública, repercussão às normas do Direito brasileiro, ações do Instituto Rui Barbosa, estratégia de comunicação e imagem dos tribunais de contas, dentre outras.

De acordo com o conselheiro substituto Luiz Henrique de Lima, que também participou do encontro, o dia foi extremamente produtivo, de muito trabalho e articulação. “Foram debatidos temas de extrema relevância para a integração dos tribunais de contas, desenvolvimento de ações conjuntas, bem como discutidas matérias que estão sendo objeto de debate tanto no Congresso Nacional quanto no STF e que afetam a atuação dos tribunais de contas”.

POSSE

Ainda em Brasília, o presidente do TCE-MT participou da solenidade coletiva de posse para o biênio 2020/2021 dos presidentes da Associação dos membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon), Fábio Nogueira; do Instituto Rui Barbosa (IRB), Ivan Bonilha; da Associação Brasileira dos Tribunais de Contas dos Municípios (Abracom), Thiers Montebello; e do CNPTC, Joaquim de Castro Neto.

Acompanharam o presidente, o secretário-geral e o assessor da Presidência, Flávio Vieira e Carlos Romeu de Medeiros, respectivamente, e os auditores públicos que atuam na Secretaria-Geral da Presidência (Segepres), Vitor Gonçalves Pinho e Risodalva Beata de Castro.

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também