CUIABÁ

Grupo de advogados Prerrogativas quer Sergio Moro preso

252649

publicidade


source
Ex-juiz Sergio Moro
Reprodução

Ex-juiz Sergio Moro

Integrante do Prerrogativas, grupo de advogados que tem marcado posição contra a Lava Jato e que compõe as bancas de defesa de investigados no petrolão, o criminalista Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, atacou nesta sexta-feira (14/1) o ex-juiz Sergio Moro, que em entrevista a VEJA disse que grande parte das críticas contra as investigações vieram de defensores que “trabalham pela impunidade de corruptos”.

Para Kakay, o ex-magistrado utilizou a operação em benefício próprio, tolheu o direito de defesa de investigados e deve responder judicialmente por abusos cometidos contra os réus. Ao final de todos os recursos judiciais que eventualmente apresente, continua o advogado, Sergio Moro deve ser preso

A manifestação do advogado é uma provocação a uma das principais bandeiras de Moro, a execução da pena após a segunda instância, tese que permitiu que condenados como o ex-presidente Lula e próceres do partido, como José Dirceu e João Vaccari Neto, acabassem, ainda que temporariamente, atrás das grades na Lava Jato.

“A visão que este ex-juiz tem da advocacia – ao dizer que defendemos a impunidade e a corrupção – é de alguém que instrumentalizou o Judiciário por um projeto pessoal. Defendemos as garantias constitucionais, como a presunção de inocência, para todos, inclusive para ele e o bando que ele coordena. Queremos que ele responda pelos crimes que cometeu usufruindo de todos os direitos que ele negava enquanto juiz. Inclusive o da prisão só após o trânsito em julgado”, disse Kakay a VEJA.

Ao longo da Lava Jato, o Prerrogativas promoveu diversos debates ao vivo com ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e com o procurador-geral da República Augusto Aras, dois focos das críticas que Moro, hoje pré-candidato à Presidência da República pelo Podemos, fez em entrevista a VEJA. Recentemente os mesmos advogados promoveram um jantar com o ex-presidente Lula e o ex-tucano Geraldo Alckmin, que ensaiam a composição de um chapa para a disputa ao Palácio do Planalto.

Leia Também

“Enfrentamos desde o início a prepotência e o abuso representados pelo Moro, que corrompeu o sistema de justiça. Ser atacado por ele indica que estamos do lado certo”, completou o advogado. Na mais reveladora entrevista que concedeu desde que se lançou postulante ao Palácio do Planalto, Sergio Moro afirmou que “grande parte as críticas [à Lava Jato] vêm de advogados que têm interesse na anulação das condenações de seus clientes. Houve um gigantesco esquema de corrupção, que perdurou por dez anos, e há um grupo de advogados, como esse Prerrogativas, trabalhando pela impunidade daqueles corruptos e vem se arvorar de alguma espécie de ética, alguma espécie de superioridade moral em relação ao Ministério Público e em relação aos juízes que participaram desses casos? No fundo a vergonha está neles”.

Fabiano Silva dos Santos, advogado e coordenador adjunto do Prerrogativas, afirmou que grupo vai entrar com uma ação contra o Moro.

“Sergio Moro terá de responder à justiça, civil e criminalmente, por todas as mazelas que causou no país, em especial, pelo grande prejuízo que ele deu para o erário, por continuar em um processo que ele sabia ser incompetente, ser parcial [dentro da Lava Jato], e também por causar uma crise em nosso sistema econômico, gerando desempregos, destruindo empresas e setores importantes para a nossa economia”, explicou Fabiano.

O coordenador adjunto também enfatizou o objetivo do grupo ao propor a ação, Ele [Sergio Moro], tem que ser responsabilizado pelo prejuízo que ele deu para o país. E por isso que iremos ingressar com essa ação popular, visando a restituição dos cofres públicos e de todo o prejuízo que ele ocasionou com sua má atuação na Lava Jato”. 

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade