CUIABÁ
19 de outubro de 2021 - 03:54

Fotógrafa procura a polícia para denunciar assédio e perseguição nas redes sociais

A iniciativa de denunciar aconteceu recentemente, quando a fotógrafa estava na academia. Ela recebeu a notificação no celular de um perfil que estaria lhe seguindo no Twitter
fotógrafa_assédio

Por Esportes & Notícias

A fotógrafa Eduarda Kopietz usou as redes sociais para denunciar a perseguição que sofre desde os 13 anos de idade, de um homem de aproximadamente 60 anos, que vive na cidade de Denise (a 210 quilômetros de Cuiabá).

O suspeito estaria perseguindo a jovem nas redes sociais desde que ela era adolescente. Desde então, ao menos dez perfis do homem já foram bloqueadas em redes sociais como Facebook, Instagram e Twitter.

A iniciativa de denunciar aconteceu recentemente, quando a fotógrafa estava na academia. Ela recebeu a notificação no celular de um perfil que estaria lhe seguindo no Twitter. Ao perceber que se tratava do homem, que já estava bloqueado em outros perfis, ela procurou a Delegacia de Polícia de Nova Olímpia.

No entanto, não teria recebido o atendimento adequado. “Eu fui correndo para Delegacia. Chegando lá, conversei com uma mulher. Ela me orientou a voltar para casa e colher o máximo de provas possíveis de que ele é um perseguidor”, disse a jovem.

“Mesmo na Delegacia mostrando a quantidade de contas bloqueadas dele e de outras meninas que me mandaram, o delegado falou que se eu não quero ser incomodada em rede social, tenho que excluir”, afirma. “Isso me deixou aflita. Porque o lugar que eu fui procurar segurança, eu não fui ouvida como pensei que seria. Minha voz não foi escutada”, acrescenta.

Eduarda então foi para casa e fez um compilado de possíveis provas que irão ser anexadas no inquérito que irá investigar o caso. Ela também denunciou o episódio nas redes sociais e descobriu que o homem também perseguiu dezenas de mulheres da região.

“Não estamos sozinhas, todas nós sofremos, todas somos taxadas de louca. Vamos nos unir e colocar esse tipo de gente na cadeia. A gente não pode viver fugindo o tempo todo, se escondendo”, contou.

Ao saber da divulgação do caso, o suspeito teria ido até a casa vítima, que atualmente está escondida e com medo. “Eu desesperada, sentindo muito medo. Espero que a justiça seja feita. Eu tive que sair da minha casa porque estou morrendo de medo”, desabafou.

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também