CUIABÁ

Fórum Agro MT recebe comitiva da APROFIR-MT para discutir agricultura irrigada em MT

Na oportunidade também foi apresentado relatório de missão internacional ao polo de irrigação no estado do Nebraska (EUA)
Foto: Divulgação

publicidade

A Associação dos Produtores de Feijão, Pulses, Grãos Especiais e Irrigantes de Mato Grosso (APROFIR-MT), em parceria com o Fórum Mato-Grossense da Agropecuária realizou nessa terça-feira (21), em Cuiabá, uma reunião que discutiu sobre a agricultura irrigada em Mato Grosso e a segurança alimentar com sustentabilidade. Na oportunidade, a APROFIR-MT também apresentou um relatório sobre a missão internacional ao estado do Nebraska (EUA), onde foi conhecido o sistema de irrigação da região, bem como foi anunciado um plano de estudos para a irrigação em Mato Grosso.

O presidente da APROFIR-MT, Otávio Palmeira, destaca que todos sabem do potencial hídrico de Mato Grosso e também da demanda pelo aumento da produção mundial de alimentos, e segundo ele, o estado tem todas as condições com o auxílio da irrigação de atender essa crescente busca pela produtividade sem a abertura de novas áreas.

“A princípio um importante estudo amplo deste potencial hídrico está em curso e com a parceria do Governo do Estado que se comprometeu em estar ao nosso lado neste projeto, por meio das secretarias de Meio Ambiente, de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia e do MTPAR. Hoje estamos aqui, junto a outras entidades ligadas ao Agro que possam somar junto conosco e estamos agradecidos pela receptividade e pela confiança em nós depositada”, explicou.

Para o presidente do Fórum Mato-Grossense da Agropecuária e da Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat), Itamar Antônio Canossa, a apresentação do relatório da APROFIR-MT sobre a visita ao polo de irrigação em Nebraska, ajuda a desmistificar algumas ideias distorcidas sobre o uso da água na cadeia produtiva de alimentos.

“O assunto apresentado é muito pertinente e que tem grande validade e utilidade, porque estamos vindo de uma época que todo mundo critica o uso excessivo da água, e quando na verdade, nós analisamos por números que não é o que se fala, pois são fakes propagados na população. Percebemos que a água é necessária e tem que ser utilizada, e com estes projetos e estudos que a APROFIR vem realizando é para nós empregarmos ela de forma sustentável e sem desperdício”, disse.

O setor sementeiro mato-grossense também participou da reunião de apresentação do relatório, o presidente da APROSMAT Gutemberg Silveira disse que as informações repassadas ao setor do agro, podem subsidiar ações e projetos para o uso racional das águas subterrâneas do estado.

“É um recurso valioso para vida, mas que pode ser utilizado na irrigação pelo Mato Grosso afora, com monitoramento, com uso adequado e que desta forma racional não trará consequências futuras baseado nos estudos internacionais, inclusive no Nebraska onde a APROFIR foi visitar”, destacou.

O relatório apresentado para o vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (FAMATO), Marcos da Rosa, colocou frente a frente duas realidades diferentes da utilização dos recursos hídricos, com a visita da missão mato-grossense ao estado americano do Nebraska.

“O importante foi dar um choque nos produtores, nas entidades e mostrar para o estado por meio da secretaria de Meio Ambiente a viagem que fizeram a um estado que tem praticamente 3 milhões e meio de hectares irrigados. E transferindo para o Mato Grosso, que temos apenas 150 mil hectares de irrigação, e fica o grande impacto de como podemos produzir o ano inteiro como crescimento da irrigação que é incipiente, e todos os setores sabendo desta necessidade de aumento desta produção é o objetivo deste estudo”, explicou.

A gerente de sustentabilidade da Aprosoja, Marlene Lima, destaca que o estudo apresentado na reunião marca um novo momento para o uso sustentável da água no campo.

“É um divisor de águas para o Mato Grosso as informações repassadas pelo professor Everardo Mantovani, pois precisamos desmistificar que agricultura é responsável pelo consumo de 70% da água do planeta, e este estudo está provando isso. E com esta apresentação clara e substanciada nós podemos criar um plano de trabalho para o estado é claramente um plano de gestão onde as políticas públicas, no caso a Sema tomarem as decisões em cima de um banco de dados ausente, e com o estudo da APROFIR esta realidade será mudada”, finalizou.

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade