CUIABÁ
19 de outubro de 2021 - 04:50

Ex-presidente do Paraguai e Dario Messer viram réus na Lava Jato do Rio

69533
source
Horacio Cartes, investigado pela Lava Jato arrow-options
Agência Brasil

Horacio Cartes é acusado de formar organização criminosa

O juiz Marcelo Bretas aceitou na quarta-feira (8) a denúncia contra o ex-presidente do Paraguai Horacio Cartes e contra Dario Messer, conhecido como “doleiro dos doleiros”. No fim de dezembro, a força-tarefa da Lava Jato no Rio denunciou os dois e outras 17 pessoas alvos da operação Patrón. Entre os acusados há 11 brasileiros, sete paraguaios e um uruguaio.

Leia também: Ministério Público investiga improbidade em prestação de contas do PSDB de 2014

O Ministério Público Federal (MPF) acusa os denunciados de formar uma organização especializada em lavagem de dinheiro e outros crimes que operava pelo menos desde os anos 2000, com a prática de câmbio ilegal e evasão de divisas a partir dos países de origem. Dario Messer é conhecido como ” doleiro dos doleiros ” e ficou foragido por mais de um ano da força-tarefa. Foi preso em São Paulo em julho deste ano.

A investigação contra o grupo nasceu no âmbito das apurações do esquema do ex-governador Sergio Cabral, condenado a 267 anos de prisão. O MPF aponta que ele usou serviços da rede de Messer no Uruguai para ocultar cifras milionárias oriundas de corrupção. Myra de Oliveira Athayde, namorada do doleiro e presa na Operação Patrón, também foi denunciada. Ela é acusada de ajudá-lo na lavagem de dinheiro.

O MPF aponta na denúncia crimes cometidos desde 2011 e afirma que eles não cessaram mesmo após a prisão de Messer. Alguns dos denunciados são acusados pelos procuradores de ajudar a se manter foragido da Justiça e a ocultar grandes somas de dinheiro ilícito. Segundo os investigadores, cerca de US$1,5 milhão foi movimentado.

Os procuradores dizem que Horacio Cartes , denunciado por organização criminosa, pertencia ao núcleo político, que reunia empresários, políticos e advogados que garantiam as atividades da organização e sua impunidade. O MPF aponta a associação do ex-presidente do Paraguai à organização ao menos entre maio de 2018 e julho de 2019, período em que Messer ficou foragido. Os investigadores dizem que ele intercedeu pelo doleiro, apesar das ordens de prisão nos dois países.

Na denúncia, o MPF diz que a participação de Cartes na organização foi demonstrada por seu financiamento de US$ 500 mil a Messer, valor que teria sido ocultado pelo empresário Antonio Joaquim da Mota até a entrega para a namorada de Messer.

Leia também: PF prende ex-senador do MDB suspeito de arrecadar caixa 2 da obra de Belo Monte

Veja quem foi denunciado:

1 – Dario Messer (apontado como doleiro dos doleiros) – Organização criminosa | Câmbio ilegal | Evasão de divisas | Lavagem de dinheiro

2. Najun Azario Flato Turner (apontado como doleiro)- Organização criminosa | Câmbio ilegal | Evasão de divisas | Lavagem de dinheiro

3. Lucas Lucio Mereles Paredes (apontado como doleiro) – Organização criminosa | Câmbio ilegal | Evasão de divisas | Lavagem de dinheiro

4. Roque Fabiano Silveira (empresário) – Organização criminosa | Lavagem de dinheiro

5. Filipe Arges Cursage (apontado como operador) – Organização criminosa | Lavagem de dinheiro

6. Luiz Carlos de Andrade Fonseca (apontado como doleiro) – Organização criminosa| Lavagem de dinheiro

7. Valter Pereira Lima (apontado como doleiro) – Organização criminosa | Lavagem de dinheiro

8. Horácio Manuel Cartes Jara (ex-presidente do Paraguai) – Organização criminosa

9. Myra de Oliveira Athayde (namorada de Messer) – Organização criminosa | Lavagem de dinheiro

10. Antonio Joaquim da Mota – Organização criminosa | Lavagem de dinheiro

11. Cecy Medes Gonçalves da Mota – Organização criminosa

12. José Fermin Valdez Gonzalez (apontado como doleiro) – Organização criminosa | Evasão de divisas | Lavagem de dinheiro

13. Felipe Cogorno Alvarez – Organização criminosa | Lavagem de dinheiro

14. Edgar Ceferino Aranda Franco (apontado como doleiro) – Organização criminosa | Lavagem de dinheiro

15. Jorge Alberto Ojeda Segovia (apontado como doleiro) – Organização criminosa | Evasão de divisas | Lavagem de dinheiro

16. Alcione Maria Mello de Oliveira Athayde (mãe de Myra) – Organização criminosa | Evasão de divisas | Lavagem de dinheiro

17. Arleir Francisco Bellieny (padrastro de Myra) – Organização criminosa | Evasão de divisas | Lavagem de dinheiro

18. Roland Pascal Gerbauld (apontado como doleiro) – Organização criminosa | Lavagem de dinheiro

19. Maria Letícia Bobeda Andrada (advogada paraguaia) – Organização criminosa

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também