CUIABÁ

Eduardo Botelho defende que grupo apoie apenas uma candidatura ao Senado em 2022

Chefe do Legislativo defendeu que o grupo deve escolher um nome e disse que a normativa pode trazer uma “prostituição política” no Estado
Presidente da ALMT, deputado Eduardo Botelho

publicidade

O presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (União), disse ser contrário à decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que liberou os partidos de uma mesma coligação a lançarem mais de um candidato ao Senado. O chefe do Legislativo defendeu que o grupo deve escolher um nome e disse que a normativa pode trazer uma “prostituição política” no Estado.

Na mesma sessão, o TSE vetou as “coligações cruzadas” e decidiu que partidos políticos que formaram coligações para o cargo de governador não podem se unir a legendas diferentes visando as eleições para o Senado. O placar foi 4 a 3, e mantém a regra que já estava em vigor.

Em Mato Grosso, os pré-candidatos ao Senado, o senador Wellington Fagundes (PL) e o deputado federal Neri Geller (PP), disputam a preferência do governador Mauro Mendes (União).

“Eu acho que vai virar uma prostituição eleitoral danada. O cara acenar para um e dar um beijinho para outro não dá. É preciso escolher um caminho e acabou. Eleição tem que ser assim”, defendeu o parlamentar.

Botelho ainda explicou que o União Brasil ainda não definiu qual candidato apoiará. Ele detalhou que a decisão será tomada após reunião com o grupo.

“Nós ainda não tivemos esse fechamento. Tivemos essa discussão ontem. Conversei com o governador e ele disse que vamos ter uma reunião nos próximos dias para definir isso”, disse o deputado.

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade