CUIABÁ

Desembargadora afirma que autorizaria aborto de menina estuprada em Santa Catarina

publicidade

A presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso (TJMT), desembargadora Maria Helena Póvoas, comentou nesta quarta-feira (22) a polêmica envolvendo uma decisão da juíza catarinense Joana Ribeiro, que negou a interrupção da gravidez da menina de 11 anos, vítima de estupro. A magistrada pontua que, fosse ela a responsável pelo caso, o procedimento teria sido permitido.

Maria Helena Póvoas pontuou que não se cabe ficar tecendo comentários a respeito de uma decisão judicial e que cada magistrado tem dever de apreciar cada caso específico e pode interpretar a lei de acordo com seu entendimento, sendo que ela nem sempre é clara.

Porém, fosse ela a responsável pelo caso, o entendimento seria diferente. “Neste caso do estupro, não há, que eu saiba, nenhum entrave para que se possa fazer a qualquer tempo este aborto. Ainda mais em se tratando de uma criança. A menina sofre perigo de vida ao levar a frente esta gravidez”.

“Como magistrada, se tivesse que decidir num caso deste, autorizaria [o aborto]. Porém, não conheço o caso concreto. Podem ter outras nuances que ensejou a magistrada decidir desta forma, o que me impede de fazer qualquer juízo de valor”, acrescentou a presidente do TJMT.

O caso

Uma menina de 11 anos, vítima de estupro, descobriu que estava na 22ª semana de gravidez ao ser encaminhada a um hospital de Florianópolis, onde teve o procedimento de aborto negado. A unidade afirma que a interrupção é realizada quando a gravidez está em até 20 semanas, apesar da legislação não estipular prazos ou solicitar autorização judicial para o procedimento.

Segundo a lei, o aborto é permitido nos casos em que a gravidez é decorre de estupro ou quando há risco à vida da gestante.

Desde uma decisão da juíza, a criança estava sendo mantida em um abrigo para evitar que fizesse um aborto autorizado. A decisão repercutiu nacionalmente após revelação da decisão e de trechos em vídeo da audiência sobre o caso em uma reportagem dos sites Portal Catarinas e The Intercept na segunda-feira (20).

Em um momento do vídeo, a Justiça e Promotoria pedem para a menina manter a gestação por mais “uma ou duas semanas”, para aumentar a sobrevida do feto. “Mas, isso não quer dizer que eu sou contra o aborto, só que o aborto passou do prazo” , explicou.

Somente na terça, a menina foi liberada para sair do abrigo e voltar à casa da mãe.

A defesa da família da menina entrou com um habeas corpus no Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) para realizar o procedimento de interrupção da gravidez.

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade