CUIABÁ
05 de dezembro de 2021 - 18:38

Contrato de gás vindo da Bolívia a partir de janeiro aumenta o interesse de postos para vender o GNV

Donos de postos de combustíveis estão interessados em vender o GNV, após a alta dos preços da gasolina e do etanol, que fez aumentar a procura pelo gás natural
GNV NOVA

Com a alta nos preços da gasolina e do etanol aumentou a procura nos postos de combustíveis que abastem com o gás natural, o GNV, e, com o aumento da demanda, também cresceu o interesse dos empresários em colocar o combustível à venda em seus estabelecimentos. A informação é do  secretário de Desenvolvimento Econômico, César Miranda, que acredita que o setor vai melhorar mais ainda, com o fornecimento de gás vindo da Bolívia de forma ininterrupta, a partir de janeiro de 2022.

De acordo com o secretário, vário donos de postos de combustíveis têm procurado a Sedec para procurar entender  como funciona e para ver se existe segurança no negócio em que pretendem investir. Atualmente, apenas três postos vendem o GNV em Cuiabá e Várzea Grande, onde nos últimos dias está se observando a formação de filas para abastecer com o GNV..

“Isto é um processo que naturalmente vai acontecer, um aumento de postos vendendo gás e vai melhorar também os investimentos na empresa que faz a compressão”, disse Cesar Miranda. Segundo ele, a empresa privada que faz a compressão do gás, e que estava parada porque não existia o gás, também começa novamente a fazer investimentos.

As dificuldades que o setor enfrentava é porque o gás não chegava da Bolívia de forma regular. Como não havia um contrato, o fornecimento às vezes era interrompido. O quadro agora vai mudar porque em junho deste ano o governador Mauro Mendes assinou um contrato firme com a estatal da Bolívia Yacimentos Petroliferos Fiscales Bolivianos (YPFB), para o fornecimento a partir de 1ª de janeiro de 2022.

O contrato é válido por cinco anos podendo ser prorrogado por mais cinco anos, e segundo o secretário, prevê o fornecimento de até 3,5 milhões de m³ de gás natural ao mês durante o ano de 2022 e, nos anos seguintes, pode chegar até 6,5 milhões de m³ até 2027.  Com a garantia da vinda deste gás, o gás natural poderá ser usado no Distrito Industrial e pode será levado também a outros municípios.

“A partir de 1º de janeiro temos um contrato firme, com cláusulas e penalidades internacionais, onde também é importante para a Bolívia fornecer o gás para Mato Grosso porque acabam alguns contratos que eles têm com a Petrobras e com a Argentina e eles também precisam vender o gás que produzem”, avaliou o secretário.

Secretário César Miranda

A utilização do GNV favorece principalmente os motoristas de aplicativo. Isso porque o gás natural gera uma economia estimada entre 30% e 38% em relação ao diesel, cerca de 50% em relação ao etanol, e de 30% na gasolina.

César Miranda destacou, também, o apoio do Estado por meio da Desenvolve MT, que liberou recursos para que taxistas, motoristas de aplicativos de transporte, pudessem fazer a conversão. O mercado também está sendo aquecido com a chegada de empresas que fazem a conversão dos veículos para usar o GNV.

“Empresas convertedoras, que não existiam em Mato Grosso, várias foram instaladas e está havendo uma conversão muito grande de carros para o gás. Então, é aquela história, aumenta a demanda e temos que criar a infraestrutura, e quem cria a infraestrutura é a iniciativa privada, quem cria é a oferta de procura e oferta do mercado”, disse Cesar Miranda.

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também