Com Júlio Campos como candidato DEM quer governador neutro

A meta dos principais caciques da legenda é evitar que o governador entre de corpo de alma na possível candidatura de seu vice-governador Otaviano Pivetta (PDT), o que fragilizaria a campanha da família Campos.
júlio_mauro

Por Esportes e Notícias

O governador Mauro Mendes (DEM) deverá se manter neutro na eleição suplementar para o Senado Federal, marcada para 26 de abril, quando será escolhido o novo senador de Mato Grosso, em substituição a juíza aposentada Selma Arruda (Podemos), cassada pelo Tribunal Superior Eleitoral em dezembro do ano passado. Pelo menos é o desejo da cúpula de seu partido, o Democrata, que deseja lançar o nome do ex-governador Júlio Campos, irmão do senador Jayme Campos.

A meta dos principais caciques da legenda é evitar que o governador entre de corpo de alma na possível candidatura de seu vice-governador Otaviano Pivetta (PDT), o que fragilizaria a campanha da família Campos.

Os democratas chegaram a se reunir na noite de segunda-feira, quando após o encontro mandaram a mensagem ao governador para que não interfira e não dê nenhum indicativo de que esteja apoiando algum candidato que não seja do DEM nesta disputa.

O governador, ainda no ano passado, chegou a afirmar que daria seu apoio ao ex-vice-governador Carlos Fávaro (PSD) derrotado nas eleições de outubro do ano passado, como aconteceu no último pleito. Entretanto, com o leque de candidatos se ampliando e a decisão de Otaviano Pivetta de entrar na disputa, ele passou a ser mais moderado em relação ao assunto e passou a afirmar que só vai falar sobre eleição ao Senado depois que todos os nomes dos concorrentes forem conhecidos oficialmente.

 

Um novo encontro deve acontecer na segunda semana de fevereiro, quando os pretensos candidatos já saberão se o Senado Federal, que volta à atividades apenas na segunda-feiro cumprirá a determinação do judiciário promovendo a cassação da senadora Selma Arruda ou se vai “peitar” o TSE e manter a ex-juíza no cargo por tempo indeterminado até o julgamento final do Supremo Tribunal Federal.

 

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também