Caso Daniel: Monitoramento eletrônico de Cristiana Brittes é suspenso

50776

Lance

Cristiana Brittes arrow-options
Instagram

Cristiana Brittes

O caso do assassinato do jogador Daniel ganhou novos capítulos nesta quarta-feira. A Justiça revogou as prisões dos réus David William Vollero, Eduardo Henrique Ribeiro da Silva e Ygor King, além de suspender o monitoramento eletrônico de Cristiana Brittes.

Leia mais: Em liberdade, Cris Brittes não quer voltar à casa onde Daniel foi espancado

Apenas o empresário Edison Brittes , que confessou ter matado o jogador, deve continuar preso. Brittes está preso na Casa da Custódia de São José dos Pinhais junto com os réus David William, Eduardo e Ygor, que devem ser soltos ainda nesta quarta, de acordo com Departamento Penitenciário do Paraná.

A decisão da juíza Luciani Regina Martins de Paula em autorizar a soltura dos três réus foi baseada na Lei do Abuso de Autoridade. Conforme a decisão, os réus devem cumprir as seguintes medidas cautelares: 

– Comparecer uma vez por mês em juízo para informar e justificar atividades;

– Ficam proibidos de acessar ou frequentar bares, casas noturnas, bem como o local onde ocorreram os fatos;

– Ficam proibidos de manter contato, diretamente ou por interposta pessoas (inclusive mediante contato telefônico, ou qualquer outro meio de comunicação), com as vítimas e testemunhas do caso;

– Ficam proibidos de ausentar-se da Comarca sem autorização prévia da Justiça;

– Devem cumprir recolhimento domiciliar no período noturno e nos dias de folga.

Leia mais: Cris Brittes diz que Daniel estava segurando seu seio e com “pênis para fora”

Monitoramento eletrônico suspenso

Já o motivo para autorizar a retirada da tornozeleira eletrônica de Cristiana Brittes foi que “não se teve notícia, pelo menos até o presente momento, de que a ré tenha descumprido alguma das condições a ela impostas”. Porém, Cristiana deve seguir as medidas cautelares estabelecidas na soltura. 

Relembre o caso

Daniel foi morto no dia 27 de outubro, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. O corpo do jogador foi encontrado com o órgão sexual mutilado, perto de uma estrada rural na Colônia Mergulhão. Edilson Brittes, que confessou ter assassinado o jogador, alega que ele tentou estuprar sua esposa. 

Os réus:

Allana Emilly Brittes
Cristiana Rodrigues Brittes
David Willian Vollero Silva
Edison Luiz Brittes Junior
Eduardo Henrique Ribeiro da Silva
Evellyn Brisola Perusso
Ygor King

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também