Caso Daniel: Justiça ordena que assassino pague pensão para filha do jogador

52572
Edison Brittes, assassino de Daniel arrow-options
Reprodução

Edison Brittes, assassino de Daniel

Por decisão da Justiça, Edison Brittes terá de arcar mensalmente com R$ 5 mil para a filha do jogador Daniel Correa , assassinado em outubro no ano passado.

Leia também: Avó do jogador Daniel ainda não sabe que o neto morreu assassinado

O martelo foi batido pela juíza Márcia Hübler Mosko, da 3ª Vara de São José dos Pinhais, de Curitiba, e obriga que o assassino confesso banque a pensão para a criança, atualmente com dois anos e sete meses.

A liminar foi oficializada nesta quarta-feira e foi um pedido da mãe da menina, Bruna Larissa Ferreira Martins. A decisão, no entanto, ainda cabe recurso por parte do acusado e sua defesa.

RELEMBRE O CASO

Daniel mandou fotos ao lado de Crtistiana Brittes logo após gravar um áudio para amigo arrow-options
Reprodução

Daniel mandou fotos ao lado de Crtistiana Brittes logo após gravar um áudio para amigo

Edison Brittes assumiu, em depoimento à polícia, ter matado o jogador Daniel Correia, de 24 anos. O caso aconteceu na madrugada do dia 27 de outubro do ano passado, na casa de Brittes, em Curitiba. Edison alegou que defendia a esposa de suposto estupro de Daniel, que estava no quarto do casal.

Leia também: Em liberdade, Cris Brittes não quer voltar à casa onde Daniel foi espancado

Para a Polícia Civil e o Ministério Público, não houve estupro. A Justiça do Paraná convocou os sete réus do caso, incluindo a família Brittes, para uma nova bateria de interrogatórios.

Os novos interrogatórios irão definir se os sete réus irão a júri popular ou não para que suas sentenças definitivas sejam proclamadas judicialmente. Daniel estava atuando no São Bento, emprestado pelo São Paulo. O jogador também tem passagens por Coritiba e Botafogo.

Os acusados

Allana Brittes e Cris Brittes arrow-options
Reprodução

Allana Brittes e Cris Brittes

Em 29 de novembro de 2018, a Justiça do Paraná decretou a prisão preventiva de seis pessoas. Ainda há uma sétima ré: Evellyn Brisolla Perusso, com quem Daniel “ficou” naquela noite e cometeu falso testemunho, que responde em liberdade. Allana, Cristiana, David William Vollero, Eduardo Henrique da Silva e Ygor King também respondem em liberdade.

  • Edison Brittes Júnior : acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor e coação no curso do processo;
  • Cristiana Brittes : acusada de homicídio qualificado por motivo torpe, coação do curso de processo, fraude processual e corrupção de menor. Ela responde em liberdade;
  • Allana Brittes : acusada de coação no processo, fraude processual e corrupção de adolescente. Ela conseguiu habeas corpus e responde em liberdade;
  • Ygor King : acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor. Responde em liberdade;
  • Eduardo Henrique da Silva : acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor. Ele é primo de Cris Brittes e responde em liberdade;
  • David William Vollero Silva : acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de menor e denunciação caluniosa. Responde em liberdade;
  • Evellyn Brisola Perusso : acusada de denunciação caluniosa, fraude processual, corrupção de menor e falso testemunho. Responde em liberdade.

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também