BR-163, enfim uma realidade

Wellington Fagundes.

No próximo dia 14, o presidente Jair Bolsonaro estará na divisa de Mato Grosso, para ato de entrega dos últimos quilômetros que faltavam para ser concluída a pavimentação da BR-163, em todo seu trecho final de 1.000 quilômetros – de Sinop, no Mato Grosso, ao terminal de Miritituba, no Pará. O asfaltamento da BR-163 significa garantir o escoamento da safra de grãos que sai do centro do país, principalmente de Mato Grosso.

Os efeitos são práticos e refletem no custo de transporte. O preço do frete rodoviário entre Sinop, município produtor de soja no Mato Grosso, e o terminal de Miritituba, no Pará, por exemplo, já reduziu em 15% em dezembro em relação ao mês anterior, para R$ 154,49 por tonelada, segundo um estudo da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, a Esalq. Acredito que esse componente cairá ainda mais.

Outro efeito: pavimentada, a rodovia garante mais segurança para os caminhoneiros, que, até então, passavam dias em atoleiros no trecho crítico em questão, principalmente na época de chuvas.

O presidente Bolsonaro terá o privilégio de concluir esse gigantesco projeto – que enfrentou muitas e muitas resistências, inclusive de âmbito internacional. Mas essa pavimentação, em verdade, é uma luta de várias décadas e de muitos personagens. É preciso se entender e reconhecer que se trata de uma obra de muitas mãos.

A ligação Cuiabá-Santarém começou em 1971, como parte do Plano de Integração Nacional, o chamado PIN, do Governo Militar e pertencia ao movimento desencadeado na época, cujo tema era: “Integrar para não Entregar!”. A inauguração da BR-163 ocorreu em 1976, quando os homens do 9º BEC encontram o 8º BEC na região sul do Pará, na Serra do Cachimbo, após cinco anos de trabalho. A partir de então, começavam as ações pela sua pavimentação.

Na condição de presidente da Frente Parlamentar de Logística e Infraestrutura (Frenlogi), posso garantir que essa é uma das maiores conquistas para Mato Grosso e sua gente. E também para o Estado do Pará. Afinal, a competitividade do Arco Norte da Logística exige protagonismo da BR-163.

Todavia, a ‘roda dos desafios’, não para. Mato Grosso tem importantes empreendimentos a se desenvolver, no tocante à logística de transporte. Com suas conhecidas dimensões territoriais – afinal são 900 mil km² –, existe uma grande carência para escoar a magnitude da nossa produção de grãos e também da proteína animal.

Estamos trabalhando para avançar no modal ferroviário, que hoje se encontra parado em Rondonópolis, no Sudeste do Estado, onde está o maior terminal ferroviário de cargas da América Latina. Queremos levar essa ferrovia até Cuiabá e depois avançar para o Norte do Estado, conectando-se com outras ferrovias necessárias, como a FICO – a Ferrovia de Integração do Centro-Oeste, e também a Ferrogrão.

Em outra frente, buscamos a viabilização da saída Oeste, através da Hidrovia Paraguai-Paraná, bem como o desenvolvimento da aviação regional, por meio de investimentos públicos e privados em cidades estratégicas.

Importante ressaltar: poucas políticas públicas no Brasil geram maior consenso entre os cidadãos, empresários e políticos que a necessidade de investir mais em infraestrutura. E por isso, vamos perseguir essa meta, sobretudo, com a busca de ampliação dos investimentos públicos e privados para que possamos dispor de uma logística eficiente: para o bem do Brasil e do povo brasileiro.

Wellington Fagundes é senador por Mato Grosso e presidente da Frente Parlamentar de Logística e Infraestrutura (Frenlogi)

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também