Bolsonaro diz que entrevista a jornalistas ‘depende da pergunta’

50524
bolsonaro arrow-options
William Volcov/Agência O Globo

Jair Bolsonaro disse que imprensa não tem compromisso com a verdade.

Abordado por jornalistas na noite desta terça-feira, na entrada do Palácio da Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro respondeu: “depende da pergunta” sobre se falaria com a imprensa.

Falando à distância, ele reclamou do que classificou como deturpações de suas declarações pela imprensa e encerrou a conversa ao ser questionado sobre o que quis dizer ao pedir, pela manhã, que um apoiador esquecesse o PSL, seu partido.

 “Agora, você fez a pergunta para cortar o papo com vocês”, disse o presidente à repórter que o questionou sobre a fala.

Leia mais: Bolsonaro diz a apoiador que PSL está queimado e gera incômodo com Bivar

Bolsonaro estava diante de simpatizantes quando teve a interação com os jornalistas. Instado a se aproximar, ele negou dizendo que tudo seria deturpado no dia seguinte. Lembrado de que a entrevista estava sendo gravada por todos, ele rechaçou mesmo assim.

Em seguida, o presidente reclamou de reportagem publicada no domingo pelo jornal “Folha de S.Paulo”, sobre um depoimento dado à Polícia Federal e uma planilha apreendida em uma gráfica que seriam indícios de que o dinheiro do esquema de candidaturas-laranja em Minas Gerais teria sido desviado para abastecer as campanhas do presidente e do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio. Bolsonaro, no entanto, não citou a publicação.

“Só esta semana, me botaram como responsável por problemas de Minas Gerais. Não tenho nada a ver. Imagine se eu for responsável por 2 mil candidatos no Brasil. E outra: eu estava acamado, estava com um saco de… do lado, não fiz campanha. Como é que me acusam que eu fiz campanha com caixa dois? Não fiz campanha. Não anunciei em jornal nenhum, não fiz uma passeata, não fiz nada”, defendeu-se.

Leia também: Julgamento da condenação de Doria por propaganda irregular é suspenso pelo TRE

Depois, reclamou de uma reportagem do jornal “Correio Braziliense” que atribuiu ao governo o plano de acabar com a estabilidade dos servidores federais e disse que isso não foi tratado nem com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

“Qual o interesse? É me desgastar o tempo todo? Aí fica duro. No dia que vocês — eu sei que muitas vezes não são vocês, é o editor — tiverem o compromisso com a verdade, será um prazer conversar com vocês. Cada vez que eu falo, é problema”.

O presidente falou ainda sobre as manchas de óleo nas praias do nordeste e sobre seu plano de legalizar o garimpo no Brasil, inclusive em terras indígenas, antes de encerrar a entrevista ao ser questionado sobre a frase do PSL.

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também