CUIABÁ
19 de outubro de 2021 - 05:00

Augusto Heleno rebate deputada do PSOL: ‘vai me torturar pra eu falar?’

57217
source
Augusto Heleno arrow-options
Marcos Corrêa/PR – 1.8.19

Declaração aconteceu durante audiência na Câmara dos Deputados.

Convidado para uma audiência pública em comissão da Câmara dos Deputados para falar sobre monitoramento dos movimentos sociais, de povos indígenas e do Sínodo da Amazônia, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, se envolveu nesta quarta-feira em uma discussão com a deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP). Eles tratavam das declarações do ministro sobre a fala do também deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), de que a resposta em caso de uma radicalização da esquerda poderia vir via um novo AI-5, ato institucional que marcou o período mais duro da ditadura no Brasil.

Leia também: Doria promete parceria com cursos de inglês para a rede pública estadual

Depois de Heleno ter dito que todos poderiam ficar tranquilos porque o governo Jair Bolsonaro e as Forças Armadas não tem “nenhuma vocação” para regime ditatorial ou autoritarismo, a deputada questionou por que ele não havia repudiado a fala de Eduardo na semana passada, e sim dito que “tem que estudar como vai fazer”. O ministro acusou o repórter do jornal “O Estado de S.Paulo” de ter descontextualizado sua fala e tê-lo pego desprevinido. Com a insistência da parlamentar, ele lembrou que Eduardo, filho do presidente, já havia se desculpado pela fala e por isso não iria repudiar.

“Eu não vou repudiar, porque ele repudiou […] A senhora vai me torturar pra eu falar?”, declarou o ministro do GSI, durante a audiência na Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia.

A declaração provocou reações exaltadas no colegiado, entre reclamações de parlamentares de esquerda e aplausos de apoiadores.

Na semana passada, o ministro respondeu ao “Estadão” que teria que estudar como implementaria medida que enrijeceu o regime ditatorial no Brasil. “Se falou, tem de estudar como vai fazer, como vai conduzir. Acho que, se houver uma coisa no padrão do Chile, é lógico que tem de fazer alguma coisa para conter. Mas até chegar a esse ponto tem um caminho longo”, disse o ministro na entrevista.

Em sua exposição inicial na comissão, afirmou que pode garantir a todos os presentes que sua geração e as seguintes nas Forças Armadas “estão completamente vacinadas contra qualquer sintoma de ditadura”. “Dessas coisas que ficam assustando aí as pessoas, e que muitas vezes é bandeira para quem não tem muita coisa para inventar e inventa isso aí”, completou.

Leia também: Senadores entregam carta a Toffoli em apoio à prisão em segunda instância

O ministro negou ainda que o GSI faça monitoramento ou promova alguma interferência em movimentos sociais, mas sim um acompanhamento. Ele lembrou que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) é subordinada à pasta e “a cabeça do sistema de inteligência do país”.

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também