Adhemar Ferreira da Silva é homenageado pela World Athletics

103670
.

O bicampeão olímpico Adhemar Ferreira da Silva será o único atleta da América do Sul a receber a placa de Patrimônio Mundial da World Athletics, homenagem criada pelo Departamento de Legado da entidade que administra a modalidade.

“Em 2018, essa homenagem foi criada para celebrar os que fizeram a história do atletismo em todo o mundo, e o Brasil é o único país da América do Sul a ganhar essa honraria”, disse à Agência Brasil o presidente da Consuldatle (Confederação Sul-Americana de Atletismo) e integrante do Conselho da World Athletics, Helio Gesta.

Adyel Silva, filha do bicampeão olímpico, celebra a homenagem da World Athletics e lamenta a falta de respeito dos brasileiros pelo legado do pai, que faleceu em 2001. “É sempre bom que, no meu caso, o meu pai, no caso do meu filho, o avô dele seja homenageado. Mesmo vindo de fora do Brasil, esses gestos de respeito e carinho são importantes demais. Ficamos felizes mesmo sabendo que o Brasil não respeita a história de meu pai. Conquistar tudo o que ele conseguiu em uma época em que, para ser atleta olímpico, tinha que ser amador, uma vida praticamente espartana, é um feito admirável”, declarou à Agência Brasil.

Segundo Helio Gesta, a placa em homenagem ao brasileiro medalhista de ouro nos Jogos de 1952, em Helsinque (Finlândia), e de 1956, em Melbourne (Austrália), no salto triplo deve ser instalada no Centro Esportivo Tietê, em São Paulo, em dezembro desse ano. Nesse local funcionava o Clube Tietê, no qual Adhemar alcançou o primeiro dos cinco recordes mundiais da carreira. Em três de dezembro de 1950, o ex-atleta saltou 16 metros cravados (igualando a distância saltada pelo japonês Naoto Tajima).

“Na última reunião presencial da World Athletics, em março, recebi a incumbência de trazer a placa, que já estava pronta. Ela está comigo na minha residência em Manaus. A ideia era instalá-la em março mesmo, após as Assembleias da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) e da Consuldatle, mas a pandemia da covid-19 acabou mudando tudo. E agora nosso plano é formalizar a homenagem no final desse ano”, explicou Helio Gesta.

Além de Patrimônio Mundial da World Athletics, o triplista será consagrado esse ano ao entrar no Hall da Fama do COB (Comitê Olímpico do Brasil).

Atletas históricos como Jesse Owens, Emil Zatopk, Paavo Nurmi, Fanny Blankers-Koen e Abebe Bikila, e competições como a Maratona de Boston, Penn Relays e o Memorial Van Damme, já integram a lista de condecorados pela entidade máxima do atletismo.

Técnico alemão também é homenageado

O alemão Dietrich Gerner, técnico e grande orientador do bicampeão olímpico, também vai ser homenageado. Ele foi escolhido por ser considerado a “primeira lenda” entre os treinadores da América do Sul.

A tradicional Corrida Internacional de São Silvestre também será homenageada por sua importância histórica. A disputa, criada em 1925, chega a contar com 30 mil participantes e tem 15km de distância. O prêmio será entregue à Fundação Cásper Líbero, dona dos direitos do evento.

Edição: Fábio Lisboa

Anterior

Próximo

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

*Os comentários abaixo não representam nossa opinião.

SE GOSTOU DESSA, CONFIRA...

Veja Também